sábado, 30 de maio de 2015

O método de escolha de ações de Décio Bazin



Décio Bazin foi um discípulo tupiniquim de Benjamin Graham e outros investidores em valor. Através de seu livro “Faça Fortuna com ações (Antes que seja tarde)”, Bazin conta muitos casos da Bolsa brasileira, na época em que as transações ocorriam ainda no pregão viva-voz, no chamado aquário.

Em 92, fiz um curso na Bovespa e pude conhecer o ambiente do aquário. Para alguém de 19 anos era um ambiente sem igual. Sonhos de riqueza e poder me invadiam todas as vezes que aparecia por lá e via aquele pessoal negociando ações aos gritos. Me sentia estimulado e com uma vontade gigantesca de operar com ações.

O livro escrito por Bazin versa sobre esta época, em que a ação mais negociada era Telebrás e que não existia Internet. Era o tempo que as cotações das ações eram publicadas nos jornais e a moeda não era ainda o Real.

Bem vamos ao método e aqui vai uma mistura do que eu utilizo e o que o Décio Bazin recomenda, já que o Bazin utilizava o dólar como balizador das operações, já que a inflação era galopante na época.
1-      As ações a serem selecionadas têm que ter um mínimo de liquidez. Eu utilizo o valor de R$ 106.410,00
2-      Após este primeiro filtro, selecionamos as ações que pagaram proventos (dividendos e JSCP) de no mínimo 6%, nos três anos anteriores. Logo ações que pagaram 6% em 2012, 2013 e 2014.
3-      Compramos lotes iguais de ações das empresas filtradas e fazemos uma planilha com o valor inicial pago pelas ações. Exemplo: se comprei R$ 1.000,00 da ação X, guardo este valor, o número de ações compradas e a data em que foi comprada.
4-      Ao final de 1 ano, atualizamos o valor pago pelo lote pela inflação, assim como atualizamos o valor dos proventos pagos durante o ano. Este valor deve necessariamente ser maior do que 6% do VALOR PAGO INICIAL, ou seja, não importa se a ação caiu ou subiu, o que importa é se o capital gasto inicialmente foi remunerado no mínimo em 6%
5-      Se a ação não remunerar o CAPITAL INICIAL em pelo menos 6%, durante dois anos seguidos, vende-se a ação. Enquanto a ação estiver remunerando o INVESTIMENTO INICIAL EM 6%, mantemos a ação em carteira.
6-      Todos os proventos (dividendos e JSCP) são reinvestidos nas ações.

Realizei uma análise dos últimos 3 anos e as ações que consistentemente pagam 6% ou mais de proventos ao ano são:
BBAS3 – Banco do Brasil
CMIG3 e CMIG 4 – Cemig
ETER3 – Eternit
Eletrobras PNB – ELET6
AES Tietê – GET3 e GETI4
 PINE4 - Banco PINE
TAEE11 – Taesa Units
WHRL4 – Whirpool PN
CSNA3 – CSN

Estas são as ações que mantenho atualmente em carteira, segundo o Método do Bazin, que conjuntamente às ações que são selecionadas pelo método de Banjamin Graham (descritas no post anterior) constituem o portfólio atual das ações em minha carteira.

Para o fechamento do mês, vamos detalhar como a carteira se comportou e como está a rentabilidade.


Grande Abraço!

40 comentários:

  1. Parabéns, muito legal a análise!

    ResponderExcluir
  2. Muito bacana a sua sugestão! Estou lendo o livro do Décio e amando! Leitura obrigatória para quem quer desbravar o mercado de ações!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário. Realmente o livro do Décio é apaixonante. O mundo mudou muito desde que ele foi publicado. Aplico as lições na prática a apenas 8 meses. Vamos ver se no longo prazo dá certo. Obrigado novamente por acompanhar o blog.

      Excluir
  3. Uma Dúvida, como vamos aplicar em ações para ter retorno de 6%a a se a poupança retorna 7% a.a ? no livro de Décio ele fala de 6%a.a de valores em dólar, considerando o valor atual do dólar precisaríamos de dividendos na casa dos 21%.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, a lógica por trás disso é a seguinte: nós temos que ter rendimentos reais, em moeda forte ou pelo menos corrigida, indicando um ganho REAL de 6%, ou seja, já descontando a inflação ou em uma moeda forte. Na época que o livro foi escrito, não existia ainda o real, logo, o Bazin tinha que ter um parâmetro para medir o ganho real do investimento e por isso ele usou o dólar. Como o câmbio é controlado hoje no Brasil, nós temos que utilizar um parâmetro real de correção e eu utilizo o
      indice de inflação. Nesse caso, não temos que ter um indice de 21%, mas um indice de 6% remunerando a aplicação inicial em termos reais.

      Excluir
  4. Eu gosto muito do livro e do método do Bazin, acho muito educativo e sólido no método. Em uma planilha do Googlesheets que criei, uso o dolar, cotação diária (para saber o preço em dólar e também o preço justo e desconto sobre este. Mas acho interessante a ideia de usar a inflação? Poderia detalhar um pouco sobre como ela se encaixa nos cálculos?

    Obrigado e Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Oi Anônimo, para utilizar a inflação, é apenas uma questão de atualizar o valor que foi gasto na compra das ações para uma determinada data, assim como os valores dos dividendos (ou proventos). Funciona assim:
    - Suponha que comprei 100 ações de BBAS3 valendo 40 reais cada, em janeiro de 2015, neste caso, gastei 4000 reais para comprar as ações, no total.
    - Durante o ano, guardo os valores recebidos de proventos também, não esquecendo de guardar a data em que foram creditados.
    - Em janeiro de 2016, atualizo tudo pelo índice de inflação, corrigindo o valor pela valor acumulado no período.
    - Por exemplo, de janeiro de 2015 a janeiro de 2016 a inflação foi 10%. Corrijo então os 4000 que paguei pelas ações para 4400 (4000 x 10%).
    - Suponha que recebi 300 de proventos de BBAS3 em junho de 2015 e a inflação de junho de 2015 até janeiro de 2016 foi 5%, logo corrijo 300 reais para 315 (300 x 5%).
    - Vejo quanto deu o yield corrigido, neste caso 315/4400 = 0,0716 ou 7,16%, maior que 6%. Neste caso a ação pagou mais de 6% do valor investido.
    - Perceba que não importa a cotação de BBAS3 em janeiro de 2016, o que importa é que o capital investido gerou uma renda de mais de 6% no ano.
    - E fazemos assim todo ano. Quando a ação deixar de remunerar o capital em 6% por dois anos seguidos, vendemos a ação.

    Espero que ficou claro, se não, se sinta à vontade para questionar mais.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Agradeço pela resposta, que está sim bem clara. Gostei bastante e vou começar fazer umas contas para fazer a comparação entre as duas formas: dólar x inflação. Faz muito sentido usar a inflação, ainda mais no momento atual porém, de toda forma, o uso do dólar, mesmo que controlado, ainda protege o investimento.

      Abraço!

      Excluir
    2. Boa tarde, mas desta forma se a ação cai muito vc vai continuar com ela achando que o capital está sendo bem remunerado e na verdade ela está é virando mico... Como vem acontecendo recente com a OIBR...

      Excluir
    3. Sim, claro. Até os grandes investidores erram. Vide a recente entrevista do Luiz Barsi, o qual comprou ações da OI e depois se arrependeu. Por outro lado, esta lógica me permitiu comprar Eletrobras, CSN, Sanepar e outras que subiram mais de 100% ano passado.

      Excluir
  6. Olá! Agradeço pela resposta, que está sim bem clara. Gostei bastante e vou começar fazer umas contas para fazer a comparação entre as duas formas: dólar x inflação. Faz muito sentido usar a inflação, ainda mais no momento atual porém, de toda forma, o uso do dólar, mesmo que controlado, ainda protege o investimento.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Boa noite Investidor ABC, estou iniciando meus estudos sobre investimento em renda variável. Até o momento, a maioria dos materiais de análise fundamentalista que encontrei são providos de fontes americanas e gostaria de ver alguém aplicando no nosso mercado brasileiro. Seu blog foi motivo de muita alegria para mim! Está de parabéns pelo trabalho, espero que seus investimentos estejam sendo prazerosos. Li que você seleciona ações com uma liquidez mínima de R$ 106.410,00. Desculpe minha ignorância, mas como posso determinar a liquidez mínima de uma empresa? Como faço essa conta?

    Muito obrigado por compartilhar essas ótima experiencia!
    Grato, JustLearning

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo. Obrigado pelo seu comentário e por ler o blog. Fico muito contente quando posso ajudar outros. A liquidez é determinada pelo chamado giro, ou seja, o valor acumulado das negociações. Esse valor eu pego diretamente do site Fundamentus.

      Excluir
    2. Bom dia, no site fundamentus aparece somente em porcentagem. Qual seria este valor mínimo em porcentagem?

      Excluir
    3. Olá amigo. Procure o campo: Vol $ méd (2m). Neste campo você tem o valor em reais. Abraços!

      Excluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo. Por favor, dê uma lida na resposta acima. Grande abraço!

      Excluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo! Obrigado pelo comentário. Por favor dê uma olhada na resposta acima. Abraços!

      Excluir
  10. Muito bom investidor...estas acoes tbm sao minhas preferidas.
    A proposito, deixo link para meu blog sobre como conseguir ser FI
    fyoumoneybrasil.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Investir em ações com "dica" de terceiros ou por fórmulas mágicas é a razão da bolsa brasileiras ter menos de 1% de ganhadores ao longo das últimas décadas. Infelizmente, o ser humana só quer ganho rápido e fácil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo, obrigado pelo comentário. Décio Bazin foi um lendário investidor da Bovespa e colunista prestigiado da Gazeta Mercantil por anos. Luiz Barsi, também investidor lendário da bolsa com uma posição bilionária em ações ajudou a escrever o livro e é o único que recomenda. No meu caso, utilizo com sucesso o método.

      Excluir
  12. Prezado IABC, como você faz para obter / calcular LPA histórico das ações? Grato e parabéns pelo bom trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo, pelo que entendi você está perguntando como faço para calcular o lucro por ação histórico das empresas, correto? Bem, eu vou no site Fundamentus, baixo o arquivo do balanço das empresas e faço uma média do lucro dos três últimos anos da companhia. Divido pelo número de ações da empresa, que pode ser pego também do site Fundamentus.

      Excluir
  13. Olá Investidor do ABC, primeiramente obrigado pelas informações interessantes sobre o mercado de ações. Gostaria de conhecer melhor esse método de investir em empresas que pagam bons dividendos. Já comprei o livro de Barzin e tenho pescado algum coisa na internet. Você recomendaria algum livro ou curso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo, obrigado por acompanhar o blog. Além do livro do Décio, recomendo também o livro "O investidor inteligente" de Benjamin Graham. Quanto a cursos, é um pouco mais difícil, porque nunca fiz nenhum. Eu gosto muito de ver vídeos com entrevistas com Luiz Barsi e Lírio Parisotto, além de vídeos do Graham. Um outro site interessante é o Ação e Reação, com muitos textos sobre value investing. Espero ter ajudado.

      Excluir
  14. Olá IABC, gostaria também de saber como coletar a informação sobre os pagamento ao longos dos anos de dividendos pelas empresas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi amigo. Eu pego estes valores diretamente da página da Bovespa ou alternativamente do site Fundamentus. Os dados também estão disponíveis no Yahoo Finance.

      Excluir
  15. Boa tarde, IABC, parabéns pela iniciativa de orientar na educação financeira das pessoas!
    Estou iniciando na bolsa e tenho algumas dúvidas. Separei algumas empresas "sólidas" para investimento de médio/longo prazo e reservei uma verba para trades de curto prazo. Em ambas modalidades tenho a "assistência" de uma conhecida empresa de assessoria. Minha pergunta é: Você considera muito arriscado essas orientações? Eu penso que como elas vivem disso possuem bons analistas em seu plantel (muito mais experientes que a maioria dos investidores, acredito...)e precisam acertar mais do que errar senão elas fecham as portas. Os resultados apresentados nos últimos anos são sempre positivos. Não é válida essa assessoria?
    Obrigado desde já!
    Sato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo, obrigado pela visita ao blog. O que posso responder é sobre a minha experiência pessoal. A corretora que utilizo é de banco grande. Como todas as outras corretoras do Brasil, esta sempre divulga a tal "carteira recomendada" no seu website. Durante quase um ano, eu procurava seguir fielmente a carteira recomendada, rebalanceando e comprando e vendendo conforme as recomendações iam surgindo. O que percebi com o tempo foram algumas coisas:
      1) As corretoras tem no seu plantel de analistas geralmente pessoas que tem o viés do trader. Ou seja, visam o curto prazo. Como obviamente o analista e a sua correspondente carteira são avaliados por mês, a carteira necessariamente é de curto prazo, o que bate de frente com a minha postura de longo prazo na bolsa.
      2) Consequentemente, você fica girando muito a carteira pagando bastante corretagem. Não posso afirmar que isso seja intencional, mas posso dizer que a cultura de curto prazo de muitas corretoras, pra não dizer todas faz com que praticamente a cada 3 ou 4 dias você tenha que ficar comprando ou vendendo ações.
      3) Outro ponto é que geralmente é um pouco difícil seguir as recomendações à risca. Veja, se a corretora tem uma carteira de dez ações, você teria que ter no mínimo uns 2000 reais em cada ação para seguir as recomendações e veja, para algumas ações 2000 não dá para operar no mercado principal, apenas no fracionário.
      4) Na minha experiência, acontecia de eu passar alguns dias sem ver e quando entrava de novo no site via a carteira toda mudada e desse modo, perdia todos os "pontos de saída", seja de alta ou seja de baixa. Isso fazia com que sempre tivesse que ficar entrando no broker, o que gerava muito stress.
      Vi também que com o tempo, muitas das recomendações das "carteiras de dividendos" das corretoras divulgadas pelo Infomoney por exemplo eram muito parecidas com a minha própria carteira. Com o diferencial que ainda comprava ações que absolutamente não estavam no radar ou mesmo que os analistas possivelmente tinham medo de divulgar, até para não virar motivo de chacota de seus pares. Não vi nenhum analista recomendar a compra de Eletrobras, CSN ou Sanepar no início de 2015. Os meus indicadores fizeram com que eu comprasse estas ações e tivesse lucros superiores a 150%, com cada uma delas. No caso da Eletrobras foi acima de 200%.
      Uma coisa que é pouco divulgada é que analistas de ações não investem o próprio dinheiro em ações. Eu prefiro seguir um Barsi, um Parisotto, um Benjamin Graham ou Décio Bazin do que esses caras. Como disse uma vez Warren Buffet: "Wall Street é o único lugar onde pessoas que chegam de limusine vão pedir conselhos sobre dinheiro a pessoas que chegam de metrô". Acredito que o mesmo se aplique ao Brasil. Grande abraço!

      Excluir
    2. Boa tarde Investidor ABC, muito bom seu Blog. Estou inciando os estudos sobre investimentos e particularmente achei seu ultimo comentário bem coerente a analista sobre a situação. Mas, como todo iniciante, imagino que que as princiais questões estão relacionadas a corretagem e ao valor ideal para começar essa jornada. O que vc me recomenda na escolha e análise das corretoras e sobre a aplicação de valores.

      Excluir
    3. oi amigo, obrigado pela mensagem. Sinceramente, eu acredito que a escolha de corretoras é absolutamente algo secundário para o investidor do meu estilo. Me explico: giro muito pouco a carteira. É difícil eu comprar mais de uma ou duas ações por mês. Desse modo, a corretagem afeta muito pouco. Na minha visão, o homebroker tem que ser confiável e estável. Por isso prefiro homebroker de banco grande. Já houve quebras de corretoras antes que geraram dor de cabeça. Porém, se você quiser recomendação, indico a itaucorretora, a xp e a elite. A Elite é uma boa porque pode ser que você consiga uma consultoria grátis do Luis Barsi, um dos meus mestres. Quanto a valores eu não tenho muito fixo, porém, eu geralmente faço operações somente acima de 2000 reais em uma única operação.

      Excluir
  16. Bom dia, parabéns pela iniciativa e esse espaço é muito bom para a troca de ideias e estudos.
    Estou lendo o livro e me surgiu uma dúvida, nele o Décio fala sobre analisarmos o preço da ação no momento da entrada, fiz um estudo e no momento apenas a Fibria se enquadraria, poderia validar se é isso mesmo?
    A conta foi feita da seguinte forma: (ultimo dividendo(anual)/preço da ação) * 100 = CASH-YELD DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO (Y1) que deve ser superior a 6%.

    EMPRESA AÇÃO PREÇO ULT DIVIDENDO CASH-YELD DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO (Y1)
    Santa SANB11 32,29 0,87 2,816445452
    Braskem BRKM5 30,81 1,25 4,046617028
    Cosan CSAN3 42,65 1,79 5,794755584
    Fibria FIBR3 27,21 4,15 13,43476853
    BM&F BVMF3 18,17 0,67 2,168986727
    BB BBAS3 30,89 1,31 4,240854646

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo, é um pouco diferente disso:
      Na verdade pega-se o dividendo do último ano, ou seja, pega-se a data atual, vai até um ano atrás e coleta todos os dividendos e daí faz a conta que você fez. Na prática, você consegue pegar as ações que satisfazem os critérios de yield acima de 6% direto do site Fundamentus. É só ir lá e fazer uma filtro na Busca Avançada. Fiz agora há pouco e deu mais de 50 empresas. O problema é que temos que ter a empresa fazendo isso em pelo menos três anos seguidos. Já para esse caso, temos apenas 4 empresas que comtemplam este critério : Cemig, Multiplus, Taesa e AES Tietê. porém, essa relação sempre vai se renovando, comprei Sanepar, Eletrobrás, CSN e outras neste mesmo critério.

      Excluir
  17. Olá.
    Parabéns pelo blog.
    A partir do 2 ano em diante. Você faz o cálculo do dividendo em relação ao investimento inicial somente ou ajustado pelo dividendo anterior tb??

    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. Obrigado por acompanhar o blog. Se eu entendi bem a pergunta, não faço ajuste algum em relação ao dividendo recebido, apenas atualizo o valor anual em relação à inflação e incluo também neste cálculo eventuais novas compras realizadas durante o ano. Espero ter respondido. Se não, pode voltar aqui que detalho mais. Eu demoro mais respondo. Abraços!

      Excluir
    2. Achei importante somente ressaltar algo em relação ao que foi falado sobre micos. Bazin é claro em relação a estudar a empresa mais a fundo, sobretudo a consistência do crescimento dos lucros. Por isso, acompanhar os balanços pelo menos anualmente é essencial. Não se trata de simplesmente aplicar uma fórmula mágica como alguns falam.

      Excluir
    3. Olá. Até agora na minha experiência tive um mico em relação à Eternit. Neste caso, a empresa vinha bem e a gestão acabou com a empresa. Mas de vez em quando acontecem coisas boas também como por exemplo a Eletrobras, CSN e Sanepar em 2016, 2017. Não existe coisa perfeita e nem fórmula mágica, mas o que posso dizer é que as regras de Bazin são boas.

      Excluir