sábado, 30 de maio de 2015

Os critérios de Benjamin Graham na seleção de ações



Bem, como dito nos posts anteriores, a carteira de ações tem um peso ideal de 37,5% na minha carteira total de investimentos.
Por ora, as ações têm um peso de 20% aproximadamente e a estratégia que defini para mim foi o aumento paulatino da porcentagem alocada via aportes, com as retiradas da renda fixa e aporte de 10% do meu salário.
Desta porcentagem, aproximadamente metade da carteira é composta de ações que seguem os preceitos do livro “O Investidor Inteligente” de Benjamin Graham. Em seu capítulo 14, o autor descreve qual deveriam ser os critérios de seleção de ações para o que ele definiu como Investidor Defensivo.
O Investidor defensivo seria aquele que não tem tempo nem disposição de acompanhar o dia a dia do mercado, de aprofundar as análises de ações e nem de analisar exaustivamente os balanços e demonstrações financeiras das empresas. Em tese seria aquele que deveria gastar algo em torno de 1 a 2 horas por semana acompanhando ações e mercado acionário.
Pois bem, quais são os critérios para selecionar as ações segundo Graham, para o investidor defensivo:
1)      Empresas grandes
Aqui, Graham não define o que seja uma empresa grande. No meu caso, defini que empresa grande é aquela que tem receita anual superior a R$ 530 milhões.
2)      Um histórico longo de pagamento de dividendos
Para este critério, defini que a empresa deve ter pago proventos  (dividendos ou JSCP) ininterruptamente por 15 anos.
3)      Um valor P/L  de no máximo 15

4)      Um histórico de lucros de pelo menos 10 anos, ininterruptos.
Ou seja, em nenhum ano de prejuízo em seu histórico, nos últimos 10 anos.
5)      Um crescimento de pelo menos um terço nos lucros, utilizando médias trienais no início e no fim de 10 anos.
Por causa das altas taxas de juros no Brasil, aumentei o crescimento nos lucros para 50%. Ou seja, no ano de 2015, somo os lucros dos 3 últimos anos (2015, 2014 e 2013) e divido este número pela soma dos lucros de 10 anos atrás (2006, 2007 e 2008). Se o resultado for maior que 1,5, passou pelo critério
6)      Índice de liquidez corrente de pelo menos 2
Aqui também adaptei para os parâmetros tupiniquins e exijo qualquer número acima de 1. O índice de liquidez corrente é obtido dividindo-se o valor do Ativo Circulante pelo Passivo Circulante da companhia.
7)      P/VP (Preço sobre valor patrimonial) de pelo menos 1,5
O índice aqui é calculado dividindo-se o preço pelo valor patrimonial por ação. É um indicativo que visa medir se o preço da ação está muito caro. Neste caso, Graham, permite que este valor seja superado se o índice P/Ativos, ou preço dividido pelo valor dos ativos por ação multiplicado pelo índice P/L seja até 22,5.
8)      Dívida de longo prazo menor do que o Capital de Giro
Este índice foi o que levei mais tempo para entender , mas que no final mede o endividamento e a força financeira da empresa.  Lendo um pouco da literatura americana sobre o tema, vemos que o que Graham denomina de Capital de Giro pode ser entendido como o Ativo Circulante da companhia e a dívida de longo prazo pode ser entendido como o Passivo Não-Circulante. Deste modo, verifico se o ativo circulante é maior do que o passivo não-circulante da companhia.

Praticamente diariamente, utilizo de 10 a 15 minutos revisando os índices de diversas empresas e no mês de Maio de 2015, as empresas que atendem a todos estes critérios são:

Eternit ON – ETER3
Metal Leve – LEVE3
Marcopolo PN – POMO4
Cyrela Rela Estate – CYRE3
Telefonica PN – VIVT4
Itausa ON e PN – ITSA3 e ITSA4
Guararapes ON – GUAR3
Além destas, incluo também a Cemig (CMIG3 e CMIG4) e o Banco do Brasil (BBAS3), que apesar de hoje não atenderem a todos os critérios (Cemig o critério 8 e Banco do Brasil o 6), incluo na lista por terem bons dividendos.
Estas são as ações em que invisto, segundo o critério de Graham. Além destas, temos as que são selecionadas segundo os critérios de Décio Bazin, as quais serão motivo do próximo post.



Grande Abraço!!

6 comentários:

  1. Muito Obrigado!

    Me ajudou a entender melhor o mercado.

    Estou acompanhando seu blog.

    ResponderExcluir
  2. Bem legal! Sou novato em investimentos... onde você consegue todos esses dados das empresas para avaliar os critérios? Há algum local (página na web) que possua acesso direto a tais dados? Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi amigo. Eu utilizo basicamente o site da BMF Bovespa e o Fundamentus, www.fundamentus.com.br

      Excluir
  3. Bom dia amigo! O capital de giro que Graham se referia era Patrimômio Líquido Circulante - não seria o ativo circulante menos passivo circulante?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, neste caso eu pesquisei um pouco sobre o que seria "capital de giro" segundo o conceito dos americanos. Neste caso, segundo leituras que fiz de alguns papers americanos, o que eles chamam de capital de giro se confunde com o que nós no Brasil chamamos de Ativo Circulante, por isso a adoção do critério como está. Como detalhe, se fôssemos fazer a conta com ativo circulante menos passivo circulante, provavelmente não haveria nenhuma empresa no Brasil que atendesse a todos os sete critérios. Abraços!

      Excluir