terça-feira, 17 de novembro de 2015

Como analiso na prática os indicadores para escolha de ações utilizando Décio Bazin



Neste post, pretendo explicar como faço para selecionar as ações segundo os critérios de Décio Bazin e como faço para analisar o se devo manter ou vender a ação.

Bem, primeiramente, temos que fazer uma seleção das ações que pagaram dividendos de mais de 6% ao ano, durante pelo menos 3 anos.

Até o começo deste ano, a Bovespa publicava um arquivo com todos os dividendos já pagos por todas as ações do mercado, desde 1998, pelo menos. Infelizmente, a Bovespa parou de publicar o arquivo e temos que coletar os dados na mão, através do link: http://www.bmfbovespa.com.br/cias-listadas/empresas-listadas/BuscaEmpresaListada.aspx?idioma=pt-br

Felizmente, consegui baixar o arquivo mais atualizado até o começo do ano e assim tenho os dados desde 2012 até 2014, que era o que interessava para fazer a seleção preliminar de Décio Bazin.

Dessa maneira, fiz uma seleção das ações da seguinte maneira:
- Somei os valores dos proventos pagos por ano (2012, 2013 e 2014).
- Fiz a média dos preços das ações nas datas dos pagamentos de proventos.
- Fazendo-se a conta, chegamos nas ações que pagaram consistentemente 6% de proventos, durante os últimos 3 anos.

Depois de obter esta lista preliminar, retirei da lista as ações repetidas, ou seja, se existe PN e ON da mesma empresa, descarto aquela que tem menos liquidez.

Vou no fundamentus : www.fundamentus.com.br, e pego os valores de liquidez das ações, corto todas as ações com liquidez menor do que 106.500 reais.

Em janeiro de 2015, comprei valores iguais (cerca de 4000 reais) de cada uma das ações selecionadas. Guardei em um planilha os valore iniciais pagos, ou seja, se comprei 100 ações de BBAS3 a 40 reais, abro uma planilha de Excel e guardo que comprei 4.000 reais de BBAS3 em janeiro de 2015.

Em janeiro de 2016, atualizarei o valor de 4.000 pela inflação. Veja bem, não vou pegar o valor da ação e multiplicar pela quantidade que tenho. O que farei é atualizar o valor MONETÁRIO pago pela inflação. Supomos que a inflação foi de 10%, atualizo o valor para 4.400 reais, não importa se BBAS3 está em 50 reais ou 30 reais.

Pego todos os valores de proventos pago pela ação e atualizo pela inflação também. Faço a conta e se o valor pago de proventos  atualizado no ano for maior ou igual a 6% do valor MONETÁRIO atualizado, mantenho a ação.

Se for menor que 6%, mantemos a ação por mais um ano. Se durante dois anos seguidos a ação não tiver proventos de 6%, vendemos a ação.

Fazemos as compras das ações normalmente durante o ano. Porém, se o valor de proventos durante o ano ficar menor do que 6%, não compramos mais ações, porque a ação ficou cara. Porém não vendemos, porque como mencionado anteriormente, vendemos se os proventos não remunerarem o valor MONETÁRIO inicial.

Complicado? Pra caramba! Demorei um tempo para destrinchar o que o Décio Bazin dizia no livro, ainda mais porque no livro o Décio utiliza o dólar, porque era a época da hiperinflação (que vai voltar graças aos petralhas). Adaptei para índices de inflação porque o câmbio é extremamente manipulado no Brasil.

Mês que vem destrincho como faço para selecionar as ações usando Benjamin Graham.

Grande abraço!