sábado, 9 de janeiro de 2016

Como faço na prática para selecionar ações segundo o método de Benjamin Graham


Caros leitores do blog,

Como havíamos falado no ano passado, vou detalhar o método que utilizo para selecionar ações segundo o ensinado por Benjamin Graham em seu livro "O investidor Inteligente".

Existem várias lições neste livro e o método que passo a descrever é para o investidor que Graham chama de "Defensivo". Segundo o autor, o investidor defensivo seria aquele que não tem tempo e nem expertise para entrar fundo nos fundamentos das companhias, que não lê os relatórios da administração e não está disposto a uma dedicação integral para seus investimentos. Esse é o meu caso.

Indo aos critérios:

1) Um mínimo de liquidez
Até o final do ano passado, meu critério era uma liquidez de no mínimo 106.000 reais para selecionar a ação. Vou no Fundamentus e baixo uma lista de ações com liquidez maior do que este valor.

2) Tamanho da empresa adequado, ou seja, grandes empresas.
Eu utilizo o valor de receita anual superior a 530 milhões de reais. Para tanto, baseado na lista que já havia tirado no item 1), retiro todas as empresas que tiveram faturamento anual inferior.

3) Pagamento de dividendos ininterruptos nos últimos 15 anos.
Estes dados eu pego no site da BMF Bovespa. Se nos últimos 15 anos a empresa deixou de pagar dividendos ou proventos elimino a companhia da lista.

4) P/L menor ou igual a 15, utilizando médias trienais.
Fazemos o cálculo do P/L, primeiro baixando o balanço da companhia do Fundamentus. Vamos na aba demonstrativo de resultados e somamos o lucro dos últimos 3 anos. Tiramos a média anual e dividimos pelo número de ações, obtendo-se assim a média de lucros anual por ação. Depois é só dividir o preço atual dessa ação pelo valor obtido que temos o P/L médio trienal. Se for maior que 15 tiramos a ação da lista.

5) Liquidez corrente no mínimo 1
Divididos o valor do Ativo Corrente pelo Passivo Corrente, se der menor que 1, eliminamos a ação. Os valores estão no mesmo balanço do item 4).

6) P/VP menor que 1,5
Direto do Fundamentus.

7) Se o P/VP for maior que 1,5, verificamos se P/Ativos vezes P/L menor que 22,5
Pegamos o P/Ativos do Fundamentus e multiplicamos pelo P/L do item 4). Se der maior que 22,5, eliminamos a ação se P/VP for maior que 1,5. Se não for, mantemos a ação, mesmo que o item 6) deu maior que 1,5

8) Lucros nos últimos 10 anos
Se a companhia teve prejuízo nos últimos 10 anos, cortamos a ação. Esse estudo pode ser feito no balanço que baixamos no item 4)

9) Crescimento de 50% no lucro em 10 anos, utilizando médias trienais no início e no fim
Faço a média de lucro dos últimos 3 anos, utilizando o balanço que baixei no 4). Daí pego a média de lucro de 3 anos, de 10 anos atrás. Ou seja, se estou em 2016, faço a média de lucro de 2015, 2014 e 2013, depois faço a média de 2008, 2007 e 2006. Se a média mais recente for 50% maior que a antiga, mantemos a ação.

10) Ativo Circulante maior que Passivo Não Circulante.
Medida de dívida. Se o Ativo de curto prazo for maior que o passivo de longo prazo, mantemos a ação. Novamente, é só pegar estes dados do balanço baixado em 4).

Como sou investidor individual, tenho que fazer este acompanhamento diariamente e aloco 10 minutos diários para atualizar a planilha. Normalmente, bate com as carteiras de dividendos que as corretoras divulgam e algumas batem com a carteira da Empiricus.

Uma vez por mês divulgo a carteira do estudo, portanto, se vocês gostarem, podem acompanhar por aqui.

Grande Abraço!

17 comentários:

  1. Olá Investidor do ABC. Primeiramente gostaria de parabenizá-lo pelo BLOG, o conteúdo é muito bom, sempre leio antes de investir. Os dois autores também são os meus favoritos. Sobre os critérios para investimento achei muito impressionante todo o trabalho de pesquisa. Apenas uma dúvida, vi que tem várias PN como Graham, e no Investidor Inteligente ele faz uma tonelada de ressalvas em relação à adquirir PN. Não se preocupa com uma eventual venda dessas empresas no longo prazo? Abraços e obrigado pelas excelentes postagens!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo! Obrigado pelo comentário. Realmente você tem razão. Na verdade eu mantive durante algum tempo ambas as ações, tanto ON quanto PN. Foi um bom ponto apontado e acredito que valha a pena fazer a troca, ou seja, manter as ON e vender as PN. O único problema é em relação a liquidez. As ON em geral têm menos liquidez que a PN. Mas mesmo assim, agradeço pelo comentário. Abraços!

      Excluir
  2. Iniciativa legal .
    parabéns

    ResponderExcluir
  3. Depois de tudo isso
    Sobra alguma empresa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, veja a carteira mensal que divulgo todo mês. Abraço!

      Excluir
  4. Olá, investidor!
    Ultimamente ando com uma ideia fixa que chega a me perturbar...
    Me corrija se eu estiver errado, por favor:
    Bom, considerando a Taxa Segura de Retirada, tão comumente divulgada como sendo de 4% do patrimônio (anualmente), venho pensando em investir em ações que tenham um DY (dividend Yield) histórico nunca menor que 4% (5%, na verdade). Deste modo, independente da cotação, minha taxa segura de retirada estaria garantida. Ilustrando: Ao investir R$1.200.00,00 em determinado momento, levando em consideração que o DY nunca será inferior a 5%, terei uma renda garantida de R$ 5.000,00. Não seria esta uma lógica semelhante a empregada aos FII's, mas com o diferencial de que os dividendos não recolhem impostos? Creio que seja uma abordagem interessante pra quem tem alto poder de aporte e não precisa contar com uma alta rentabilidade para auferir um patrimônio considerável.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faço quase isso. Veja meu posting sobre seleção de ações utilizando o método de Décio Bazin. A ideia por trás dele é muito parecida com a sua. Apenas o método de seleção é diferente do que você propõe, porque Bazin recomenda que as ações sejam vendidas se caírem os dividendos. Recomendo a leitura do livro "Faça fortuna com ações", de Décio Bazin. Dê uma olhada neste artigo http://www.infomoney.com.br/bancodobrasil/noticia/4521032/luiz-barsi-explica-por-que-comprar-acao-hoje-vale-ainda, pesquise sobre o Barsi, ele tem a mesma ideia de previdência com ações que você propõe.

      Excluir
  5. Olá IABC! Após vários anos na blogosfera de finanças resolvi abrir meu próprio blog também. Vou passar sempre por aqui e contribuir na discussão. Te coloquei nos meus links no meu blog. Abraço.

    frugalsimple.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado amigo, boa sorte com seu blog e com seus investimentos. Grande abraço.

      Excluir
  6. Descobri hoje o seu blog e li todas as suas postagens!

    Seus textos são inspiradores para mim que estou voltando aos investimentos após um hiato de cerca de 3 anos. Você tem uma voz própria.

    Obrigado pelos textos. Continue assim e bons investimentos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado! Espero que possa contribuir sempre para o crescimento das pessoas. Grande abraço!

      Excluir
  7. Pesquisando sobre investimentos encontrei seu blog e tenho que dizer que é uma das melhores coisas que a internet proporcionou em muito tempo.
    Sua descrição de investimentos pessoais com linguagem simples e descomplicada é absolutamente incrível.
    Comecei a investir esse ano (comprei meus primeiros títulos do tesouro direto.. =D) e tenho muito interesse em comprar ações que pagam dividendos.
    O caminho do aprendizado é longo e acompanharei seu blog como fonte de inspiração e de conhecimento.
    Muito sucesso!!

    ResponderExcluir
  8. No site fundamentos já mostra P/L. Será que esse lucro é a ultima média trienal?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi amigo. O valor que o site Fundamentus mostra é o P/L corrente, ou seja, é o Preço atual da ação dividido pelo lucro do último ano. Para calcular-se a média trienal deve-se fazer a conta com os últimos 3 anos. Abraços!

      Excluir