sábado, 30 de maio de 2015

O método de escolha de ações de Décio Bazin



Décio Bazin foi um discípulo tupiniquim de Benjamin Graham e outros investidores em valor. Através de seu livro “Faça Fortuna com ações (Antes que seja tarde)”, Bazin conta muitos casos da Bolsa brasileira, na época em que as transações ocorriam ainda no pregão viva-voz, no chamado aquário.

Em 92, fiz um curso na Bovespa e pude conhecer o ambiente do aquário. Para alguém de 19 anos era um ambiente sem igual. Sonhos de riqueza e poder me invadiam todas as vezes que aparecia por lá e via aquele pessoal negociando ações aos gritos. Me sentia estimulado e com uma vontade gigantesca de operar com ações.

O livro escrito por Bazin versa sobre esta época, em que a ação mais negociada era Telebrás e que não existia Internet. Era o tempo que as cotações das ações eram publicadas nos jornais e a moeda não era ainda o Real.

Bem vamos ao método e aqui vai uma mistura do que eu utilizo e o que o Décio Bazin recomenda, já que o Bazin utilizava o dólar como balizador das operações, já que a inflação era galopante na época.
1-      As ações a serem selecionadas têm que ter um mínimo de liquidez. Eu utilizo o valor de R$ 106.410,00
2-      Após este primeiro filtro, selecionamos as ações que pagaram proventos (dividendos e JSCP) de no mínimo 6%, nos três anos anteriores. Logo ações que pagaram 6% em 2012, 2013 e 2014.
3-      Compramos lotes iguais de ações das empresas filtradas e fazemos uma planilha com o valor inicial pago pelas ações. Exemplo: se comprei R$ 1.000,00 da ação X, guardo este valor, o número de ações compradas e a data em que foi comprada.
4-      Ao final de 1 ano, atualizamos o valor pago pelo lote pela inflação, assim como atualizamos o valor dos proventos pagos durante o ano. Este valor deve necessariamente ser maior do que 6% do VALOR PAGO INICIAL, ou seja, não importa se a ação caiu ou subiu, o que importa é se o capital gasto inicialmente foi remunerado no mínimo em 6%
5-      Se a ação não remunerar o CAPITAL INICIAL em pelo menos 6%, durante dois anos seguidos, vende-se a ação. Enquanto a ação estiver remunerando o INVESTIMENTO INICIAL EM 6%, mantemos a ação em carteira.
6-      Todos os proventos (dividendos e JSCP) são reinvestidos nas ações.

Realizei uma análise dos últimos 3 anos e as ações que consistentemente pagam 6% ou mais de proventos ao ano são:
BBAS3 – Banco do Brasil
CMIG3 e CMIG 4 – Cemig
ETER3 – Eternit
Eletrobras PNB – ELET6
AES Tietê – GET3 e GETI4
 PINE4 - Banco PINE
TAEE11 – Taesa Units
WHRL4 – Whirpool PN
CSNA3 – CSN

Estas são as ações que mantenho atualmente em carteira, segundo o Método do Bazin, que conjuntamente às ações que são selecionadas pelo método de Banjamin Graham (descritas no post anterior) constituem o portfólio atual das ações em minha carteira.

Para o fechamento do mês, vamos detalhar como a carteira se comportou e como está a rentabilidade.


Grande Abraço!

Os critérios de Benjamin Graham na seleção de ações



Bem, como dito nos posts anteriores, a carteira de ações tem um peso ideal de 37,5% na minha carteira total de investimentos.
Por ora, as ações têm um peso de 20% aproximadamente e a estratégia que defini para mim foi o aumento paulatino da porcentagem alocada via aportes, com as retiradas da renda fixa e aporte de 10% do meu salário.
Desta porcentagem, aproximadamente metade da carteira é composta de ações que seguem os preceitos do livro “O Investidor Inteligente” de Benjamin Graham. Em seu capítulo 14, o autor descreve qual deveriam ser os critérios de seleção de ações para o que ele definiu como Investidor Defensivo.
O Investidor defensivo seria aquele que não tem tempo nem disposição de acompanhar o dia a dia do mercado, de aprofundar as análises de ações e nem de analisar exaustivamente os balanços e demonstrações financeiras das empresas. Em tese seria aquele que deveria gastar algo em torno de 1 a 2 horas por semana acompanhando ações e mercado acionário.
Pois bem, quais são os critérios para selecionar as ações segundo Graham, para o investidor defensivo:
1)      Empresas grandes
Aqui, Graham não define o que seja uma empresa grande. No meu caso, defini que empresa grande é aquela que tem receita anual superior a R$ 530 milhões.
2)      Um histórico longo de pagamento de dividendos
Para este critério, defini que a empresa deve ter pago proventos  (dividendos ou JSCP) ininterruptamente por 15 anos.
3)      Um valor P/L  de no máximo 15

4)      Um histórico de lucros de pelo menos 10 anos, ininterruptos.
Ou seja, em nenhum ano de prejuízo em seu histórico, nos últimos 10 anos.
5)      Um crescimento de pelo menos um terço nos lucros, utilizando médias trienais no início e no fim de 10 anos.
Por causa das altas taxas de juros no Brasil, aumentei o crescimento nos lucros para 50%. Ou seja, no ano de 2015, somo os lucros dos 3 últimos anos (2015, 2014 e 2013) e divido este número pela soma dos lucros de 10 anos atrás (2006, 2007 e 2008). Se o resultado for maior que 1,5, passou pelo critério
6)      Índice de liquidez corrente de pelo menos 2
Aqui também adaptei para os parâmetros tupiniquins e exijo qualquer número acima de 1. O índice de liquidez corrente é obtido dividindo-se o valor do Ativo Circulante pelo Passivo Circulante da companhia.
7)      P/VP (Preço sobre valor patrimonial) de pelo menos 1,5
O índice aqui é calculado dividindo-se o preço pelo valor patrimonial por ação. É um indicativo que visa medir se o preço da ação está muito caro. Neste caso, Graham, permite que este valor seja superado se o índice P/Ativos, ou preço dividido pelo valor dos ativos por ação multiplicado pelo índice P/L seja até 22,5.
8)      Dívida de longo prazo menor do que o Capital de Giro
Este índice foi o que levei mais tempo para entender , mas que no final mede o endividamento e a força financeira da empresa.  Lendo um pouco da literatura americana sobre o tema, vemos que o que Graham denomina de Capital de Giro pode ser entendido como o Ativo Circulante da companhia e a dívida de longo prazo pode ser entendido como o Passivo Não-Circulante. Deste modo, verifico se o ativo circulante é maior do que o passivo não-circulante da companhia.

Praticamente diariamente, utilizo de 10 a 15 minutos revisando os índices de diversas empresas e no mês de Maio de 2015, as empresas que atendem a todos estes critérios são:

Eternit ON – ETER3
Metal Leve – LEVE3
Marcopolo PN – POMO4
Cyrela Rela Estate – CYRE3
Telefonica PN – VIVT4
Itausa ON e PN – ITSA3 e ITSA4
Guararapes ON – GUAR3
Além destas, incluo também a Cemig (CMIG3 e CMIG4) e o Banco do Brasil (BBAS3), que apesar de hoje não atenderem a todos os critérios (Cemig o critério 8 e Banco do Brasil o 6), incluo na lista por terem bons dividendos.
Estas são as ações em que invisto, segundo o critério de Graham. Além destas, temos as que são selecionadas segundo os critérios de Décio Bazin, as quais serão motivo do próximo post.



Grande Abraço!!

A política geral de investimentos

A política geral de investimentos.

Bem pessoal, vou detalhar um pouco a política geral de investimentos que utilizo.

Baseado nas sugestões de Benjamin Graham e no livro Alocação de Ativos, determinei as seguintes proporções entre os ativos :

37,5% em renda fixa, dividido entre LCI/LCA e CDB e tesouro direto
37,5% em ações, seguindo rigidamente os preceitos de Décio Bazin e Benjamin Graham
15% em fundos imobiliários
10% em dólar

No livro O investidor inteligente, Benjamin Graham diz que a princípio uma alocação de 50% em Renda Fixa e 50% em Ações seria adequada para o investidor defensivo. A razão de ter 25% fora destas categorias seria uma diversificação a mais, já que o livro foi escrito para americanos.

No primeiro post, pode-se perceber que não estou seguindo estas proporções. A razão para isso é puramente psicológica. Em janeiro deste ano surgiu um aporte muito grande, de aproximadamente 500 mil reais e fiquei literalmente com medo de aportar todo este dinheiro na bolsa, em pleno início do segundo mandato dos petralhas.

Optei por fazer o seguinte: aportei uma parte em ações e o resto em LCI e a diferença para alcançar a proporção de 37,5% em ações do total será realizada com aportes mensais em 5 anos. Acreditava que assim diminuiria meu risco. Agora em maio de 2015 já sei que foi a decisão errada, pois agora sei que o Bovespa deu uma esticada de 20% e poderia estar aproximadamente 50 mil reais mais rico.

Mas OK, passado é passado.

Os aportes são realizados segundo a seguinte lógica: 10% do salário para investir (aprox. R$ 1200,00 em maio de 2015), 20% para pagar meu financiamento imobiliário e 70% para gastar e consumir.

Nos próximos posts vamos detalhar as ações que fazem parte do portfólio e como chegamos a elas.

Grande Abraço!

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Início da caminhada

Bem....
Vamos lá!


Estou iniciando este blog, em maio de 2015, inspirado por outros blogs de finanças e com o objetivo de comentar e demonstrar teses de investimento e minha própria caminhada rumo a independência financeira e a riqueza (se Deus quiser!).

Bem falando um pouco de mim.

Tenho por volta de 40 anos de idade (em 2015) e desde 98 leio bastante sobre investimentos, porém de forma meio desordenada.

Minha história é comum a muitos outros pequenos investidores desse nosso pobre Brasil, ou seja, classe média baixa, sem educação financeira nenhuma, pais pobres e trabalhadores.

Mas, sinceramente, acho que vocês não querem muito saber de mim, não é mesmo. Acredito que o melhor seria passar direto para as técnicas de investimento que uso e o patrimônio.

Bem, em Maio de 2015 meu patrimônio está dividido conforme segue:

1) R$ 6.406,69 em dinheiro, na conta bancária, provenientes de dividendos e renda de fundos imobiliários
2) R$ 13.991,48 em um fundo DI, que constitui uma reserva de emergência
3) R$ 43.504,48 em fundos imobiliários
4) R$ 121.078,50 em ações
5) R$ 335.714,97 em LCIs/CDBs
6) R$ 25.637,70 em um fundo cambial de dólar
7) R$ 116.205,98 em tesouro direto

A pretensão do blog é discutir teses de investimento com outras pessoas que têm interesse no assunto.

Nos próximos posts irei detalhar mais as estratégias utilizadas e descrever o meu caminho rumo à independência.

Que todos que leiam o blog possam compartilhar suas experiências e assim possamos trilhar juntos este caminho.

Grande abraço a todos!