quarta-feira, 22 de junho de 2022

Eu deveria trocar de carro? - Carteira do mês - Junho de 2022

Oi pessoal, espero que todos vocês estejam bem.

Eu possuo o mesmo carro há 13 anos.

Trata-se de um Chevrolet Sedan Flex, que atende perfeitamente as necessidades minhas e da minha mulher, que vale uns R$ 22.000,00, valor que nos bons tempos era o aumento de um mês da carteira.

Está muito bem conservado, com toda parte mecânica em dia e com a aparência muito boa também.

Eu havia prometido a mim mesmo que somente trocaria de carro quando atingisse a riqueza, que segundo a obra "O milionário mora ao lado", seria quando a seguinte equação fosse atendida:

"Pegue a sua renda anual bruta, multiplique por sua idade e divida por 5". Neste caso o meu patrimônio líquido deveria ser algo em torno de R$ 2,5 M.

Ainda falta R$ 1,0 M para que eu possa atingir esta meta, algo que acredito que possa cumprir em 3 anos, isso se o Brasil não virar uma Venezuela ou Argentina. Neste caso, terei que me preparar para sair do país.

Mas nesse meio tempo, a mosquinha do gasto inútil vem me mordendo.

Eu nunca fui consumista na minha vida. Nunca gostei de ter roupas caras, carros caros e gadgets. Mas sempre gostei de mecanismos e tecnologias interessantes.

Por isso comprei um fone de noise cancelling de R$ 1.800,00 por causa da tecnologia. É meu companheiro de home office.

Em uma rápida pesquisa sobre carros híbridos, acabei me apaixonando pelo Toyota Corola Híbrido:



Gostei mais pela tecnologia de carro híbrido, que achei muito interessante. Provavelmente ficarei com o carro por mais de 10 anos, com certeza.

O carro custa algo em torno de R$ 180.000,00. Não vou retirar nada da carteira de investimentos para comprar, pretendo financiar. Sei que pagarei mais e tudo o mais que o Pai Rico não manda fazer.

Mas estou me contendo e só farei isso quando acabar de pagar o apartamento, já que o saldo devedor é mais ou menos o valor do carro. Isso ocorreria no final do ano que vem, segundo minhas contas.

Mas, a parte racional da minha mente me diz que não deveria trocar de carro até atingir a riqueza, que levaria no mínimo mais 3 anos.

Sendo assim, o que faço? Esse é um dos grandes obstáculos para atingir a independência financeira, a tentação de gastar no meio do caminho.

No mais, segue nossa carteira de ações que ainda estamos comprando:




Temos também Fras-Le, AES Tietê, BB Seguridade, Banestes, Comgás, Sul América e Unipar, mas não estamos comprando, apenas mantendo.

Possuímos também Renda Fixa, FIIs, Prev. Privada e investimentos dolarizados.

No mais, um grande abraço a todos.



14 comentários:

  1. Compra essa porra.
    Se cabe no bolso sem comprometer planos futuros e você quer comprar, compre. Simples assim.
    Foda-se o que dizem primos ricos e afins. Cada um é responsável pela sua vida.
    Em 2019 tinha vontade de comprar um Ônix ou Plo 0km, não comprei porque tinha outros objetivos e não queria gastar uma quantia relativamente grande de dinheiro naquele momento.
    Aí veio pandemia e uma inflação fodida, resultado, não comprei e os carros aumentaram muito de preço, ou seja, não comprei quando o negócio fazia mais sentido e era mais aceitável financeiramente, agora ficou muito caro, resumindo, tomei na tarraqueta.
    Não sou consumista, não gosto de ostentar, porque sou discreto.
    Mas tem pessoas que vivem ou estão a um passo da paranóia financeira.
    Nem sempre deixar pra depois é a melhor opção, as vezes as condições para a compra se deterioram e você não compra mais.
    Se você comprar o carro e precisar do dinheiro, mas a frente você vende, além de tudo o Corolla é bom de revenda.
    Mas faça sua auto avaliação sincera. A resposta está com você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente aumentou bastante. O mesmo carro estava em R$ 130 mil em 2020.
      Provavelmente comprarei ano que vem, quando o financiamento do apartamento terminar, mas obrigado pela sua resposta.

      Excluir
  2. O que eu vejo sobre carros híbrido é que eles não são "nem barro, nem tijolo", já estaria comprando uma "adaptação", ao meu ver o futuro é elétrico 100%, claro que isso é uma questão de opinião, você compraria um corolla a combustão por quase metade do preço, ou ainda um honda fit que seria muito melhor que seu veiculo atual, e gastaria em torno de 60 mil, carro muito completo e bom, mas como dito tudo é gosto. Obrigado pelos seus textos, abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 100% elétricos demorarão a ser maioria dos veículos vendidos no Brasil, coisa pra longo prazo provavelmente, ainda são poucos e caros modelos disponíveis.
      No momento os híbridos se mostram mais realistas para nosso mercado, ainda que a diferença de preço exista.
      Os modelos do Corolla a combustão não custa metade do preço do híbrido. A versão GLi custa 146k, enquanto o híbrido mais barato está na casa dos 170k.
      A Honda não produz mais o Fit, o City, em especial o City Hatch veio para ocupar, mesmo que parcialmente por ser outra categoria, o espaço deixado pelo Fit.

      Excluir
    2. Vale lembrar que a garantia da Toyota é de 5 anos, e 8 anos para o sistema híbrido, ou seja, o Investidor do ABC teria um carro dentro da garantia por boa parte do tempo que pretende ficar com ele.
      E esse é ponto importante.

      Excluir
    3. Uma coisa que eu sempre penso é na quantidade gigantesca de "gatos" que vão aparecer na rede elétrica quando os carros elétricos se popularizarem no Brasil.

      Excluir

  3. Eu estava nessa dúvida cruel em trocar de carro. Acabei comprando por agora um seminovo. Decidir trocar pois não iria impactar no meu orçamento. Mas acabei tirando uma parte do dinheiro da minha carteira de investimento. Pensei na mesma coisa que vc pensou sobre os preços. Eu teria pegado novo pelo mesmo preço que peguei agora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou nesta dúvida também, mas estou resistindo para não tirar dinheiro da carteira de investimentos. Até agora com sucesso. Mas a mosquinha fica na cabeça

      Excluir
  4. Tá doido, jamais pagaria 180 mil num carro. Tem que ficar com o mesmo carro pelo resto da vida, por isso, se deve escolher bem o primeiro carro e não comprar qualquer coisa que aparecer.

    Carro é uma família, e família não se abandona e nem se troca!

    O meu eu comprei em 2019, é 2005 e vai durar até 2075. Pronto. Com 80 anos paro de dirigir, em teoria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa! Li outro dia sobre um Toyota que tinha alcançado 1 milhão de quilômetros rodados. Pode ser o seu caso, vai sair até nas notícias! Grande abraço!

      Excluir
    2. kkk, eu peguei meu carro em 2019 com 94 mil km rodado, agora em 2022 está com 97 mil km. Eu rodo em média mil km por ano. É um astra duas portas 2005 flex. Foi o primeiro hatch médio a ser flex no Brasil. A carroceria duas portas parou de fabricar em 2007, o astra em si foi até 2011 4 portas.

      Excluir
  5. Carro não é investimento, é um bem de consumo.
    Houve uma valorização dos carros, inclusive usados por conta da inflação, demanda reprimida, falta de componentes, aumento do preço do petróleo e minério de ferro etc etc.
    Quem compra carro em regra sabe que vai perder parte de seu valor, mas escolhendo bem o modelo até é possível amotizar a perda natural.
    Agora vejo um pessoal na blogsfera, com algum tipo de medo em gastar dinheiro. Tem gente com patrimônio alto, ganhando bem, andando de ônibus, morando em imóvel alugado.
    Nada contra, mas então pra que acumular dinheiro? Pra que investir, chegar a 500, 600, 1kk ou mais e viver como se não tivesse nada e ganhasse 2k por mês?
    Se for assim não precisa ganhar bem, nem ficar esquentando a cabeça com investimentos, é arrumar um emprego mais ou menos que pague as contas e tocar o barco. Afinal boa parte de vocês não precisa do dinheiro que tem.
    Um tempo atrás o Viver de Renda, citou que tem uma espécie de vício em acumular dinheiro e vive num padrão bem abaixo do que poderia, mesmo tendo já um grande patrimônio.
    Uma outra blogueira, Independência Financeira ou Morte, que diz ter mais de 3kk, estava relutante em comprar um imóvel, até o momento parecia morar com os pais...
    Qual o sentido disso?
    Sei que cada um tem suas opiniões, mas muitas vezes acho esses comportamentos vazios. Muito se critica e em grande parte eu concordo sobre as pessoas que gastam muito ou ostentam, mas isso que vejo aqui na blogsfera a anos é o inverso disso e é tão sem sentido quanto.

    ResponderExcluir