sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Pragmatismo e carteiras do mês



Admito que durante o tempo me tornei admirador do Jair Bolsonaro. Muitos e muitos pontos do que ele fala e pensa se alinham com o que também penso. Claro que não tudo, mas em relação ao que é dito sobre a atual lobotomia do politicamente correto a qual estamos submetidos, estou de pleno acordo.

Também penso que criminosos têm que ser tratados fria e impiedosamente, sou contra toda e qualquer política de cotas e acredito que se o camarada quer dar seu orifício anal para ser penetrado por outro que seja, mas não apoio de maneira nenhuma qualquer vantagem a qualquer pessoa apenas por este fato, nem dinheiro público para paradas e ongs de qualquer coloração.

Porém, como qualquer investidor, temos que ser pragmáticos. Se eu sozinho pudesse decidir a eleição, votaria no João Amoedo, tendo o Bolsonaro como seu ministro da justiça talvez e com Henrique Meirelles na fazenda. Mas não posso fazer isso.

Sendo assim, como todo investidor que se preza, temos que avaliar riscos e retornos, nos cenários que se avizinham. Nesse sentido, pensando pragmaticamente, decidi votar em Geraldo Alckmin. Este, apesar de não ser minha primeira escolha, já se comprometeu com reformas e teria o apoio suficiente no congresso para aprová-las. Seria um pequeno passo para a implantação do liberalismo no Brasil, mas seria um passo.

O nosso capitão, apesar de coração desejar que ele ganhe, não teria o apoio dos canalhas que serão eleitos para o congresso e seria diuturnamente bombardeado pela imprensa socialista brasileira. Infelizmente o brasil é uma sociedade marxista e teremos que lentamente ir eliminando este mal.

O investidor tem que ser pragmático e se posicionar para garantir o melhor risco-retorno. Sendo assim, o Alckmin representa o menor risco, com possibilidade de um bom retorno, uma vez que conseguirá fazer as reformas necessárias, mesmo cercado de ladrões. Aproveitar esta onda, se houver, acredito que para mim será semelhante ao que ocorreu quando os petralhas fomentaram a bolha imobiliária em 2013-2014. Se o Alckmin ganhar, acredito que teremos uma verdadeira bolha no mercado de ações e de fundos imobiliários o que em tese fará com que quem souber se posicionar atinja um outro patamar como investidor.

Já se for com o capitão, acredito que pode haver reformas sim, porém muito mais difíceis de serem aprovadas, uma vez que o congresso lhe será mais difícil de apoiar. Mas ainda assim, bolsa seria uma boa pedida, mas claro que com uma fatia considerável de dólar e puts se tudo der errado e tirarem ele de lá.

Se lulladrão, ciro ou qualquer outro esquerdista assumir, aí será fácil. Encher o bolso de dólar e começar a enviar dinheiro para fora do país. Ter um pouco de dólar e ouro físico também ajudaria no caso de termos que fugir do país, como fizeram os venezuelanos mais espertos.

Nossa carteirinha de ações está como segue:


Ninguém pediu, mas abaixo estão os fundos imobiliários que estou comprando, com os respectivos pesos, que perfazem 20% do total da minha carteira:


Um grande abraço a todos!

4 comentários:

  1. Torço pro Bolsonaro se dar mal na eleição, isso sim.

    De qualquer forma, concordo quanto ao Ciro. Só votaria no Bolsomito num segundo turno com o Ciro. Esse ultiúl consegue ser pior que o primeiro...

    ResponderExcluir
  2. Também sou dessa opinião Investidor do ABC. E mesmo com o Alkimin caso as reformas não venham até 2020 será necessário ligar o alerta. O fundo do abismo fiscal será implacável

    ResponderExcluir
  3. Que isso, votar em corrupto não! Esse ladroes sao os mesmos que estão com Temer e nada d reformas fazem. 👎
    Eu vou d Bolsonaro, mas respeito sua escolha.
    No roda viva edte respondeu economia liberal como seu legado.
    Abc

    ResponderExcluir
  4. Vou de Amoeda no primeiro turno. O segundo turno vamos ver quais serão as opções. Um segundo turno entre Bolsonaro e Alckmin seria muito bom.

    ResponderExcluir