sábado, 13 de maio de 2017

Sêneca, lições para vida e carteira do mês



Recentemente li o livro de Sêneca, "Sobre a brevidade da vida".

É um livro relativamente curto, em formato de cartas para um interlocutor que não sabemos quem é. Nestas cartas Sêneca critica o estilo de vida dos ricos romanos de sua época e dá algumas dicas de como bem viver.

Interessante como as pessoas abastadas de Roma da época de Nero, que surgiu pouco depois da passagem de Cristo pela Terra, tinham comportamentos semelhantes aos que hoje são disseminados pelo planeta. Sêneca critica o que chamou de "homens ocupados", ou pessoas que preenchem seu tempo com atividades frívolas e inúteis, como por exemplo passeios de liteiras, banquetes suntuosos ou mesmo aqueles que passavam horas e horas nos cabeleireiros da época, muito semelhantes às atividades as quais as pessoas se dedicam hoje, como por exemplo aqueles que passam horas e horas lavando seus carros, se empanturrando de comida ou então em academias, salões de beleza e outras atividades mais.

Sêneca diz que os homens pensam que a vida é curta porque desperdiçam muito tempo se ocupando com atividades inúteis ou frívolas, as quais não acrescentam nada à sua mente ou ao seu espírito. Ficamos perdendo tempo nos ocupando com questões inúteis do ambiente de trabalho, disputando os ossos que sobram na grande luta pela sobrevivência.

Para Sêneca, a grande ocupação dos homens deveria ser o aprimoramento intelectual, a aquisição do conhecimento e o estudo da filosofia.

Não poderia concordar mais.

Uma das grandes razões que me fizeram começar a estudar e me dedicar aos investimentos é a grande vontade do aprimoramento intelectual e espiritual que eu poderia ter tendo mais tempo, o que eu não conseguia quando trabalhava em uma grande empresa de consultoria americana.

Me sentia literalmente morto naquele ambiente, gastando horas e horas de minha vida e juventude em reuniões inúteis, apresentações inúteis e gestão de egos de gerentinhos e diretorzinhos.

Uma das coisas que muito me impressionava era a questão da ignorância das pessoas. Às vezes conversava com pessoas de cargos relativamente altos nas empresas e via que o conhecimento que estas possuíam era extremamente restrito ao campo de atuação da companhia e na grande maioria das vezes, o que as pessoas sabiam se resumia somente ao pequeno mundo de um determinado software. Do conhecimento geral, eram completos ignorantes. Vocês conseguem conceber alguém que instala um software de finanças e não tem a menor noção do que sejam investimentos?

Estou neste momento tentando sair da grande matrix do entretenimento e infantilização que o mundo se tornou. Um mundo em que a principal atividade que as pessoas têm no seu dia-a-dia é a troca de mensagens inúteis via celular e compartilhamento de besteiras. Um mundo que os grandes filmes são baseados em histórias em quadrinhos, que eram até os anos 90 apenas atividades para crianças.

Vamos ver se consigo. Uma grande dica que peguei é a leitura do livro "O trivium" (veja no Google!), que descreve o processo da auto-educação.

No mais a carteira vai indo bem, com a bolsa subindo bem nestes últimos meses. Quem diria que um presidente que subiu ao poder pelas vias mais impensadas seria responsável pelas maiores reformas em mais de um século no país? Somente o fim do imposto sindical, que sustenta toda esta corja de vagabundos também conhecida como sindicalistas já valeria a abertura de um champagne, se eu bebesse.

Até o final de abril de 2017 estamos com uma rentabilidade total de 6,7% da carteira. A rentabilidade é medida como sendo o aumento da carteira sem contar os aportes. Dá 162% do CDI, algo que impressiona a mim mesmo (sem querer me gabar, me considero apenas um mané como investidor) porque é uma rentabilidade parecida com a famosa "Carteira Empiricus" a qual recebo propaganda quase todos os dias.

Continuamos com as proporções de 30% em ações, 30% em fundos imobiliários e 30% em renda fixa. Seguindo religiosamente Benjamin Graham e Décio Bazin para ações, IFIX para fundos imobiliários e 40% em IPCA, 40% em CDI e 20% em pré-fixados na renda fixa, com mais 10% do total da carteira no fundo que acompanha o S&P 500 dos USA. Dessa forma automatizamos o investimento, rebalanceando a carteira com os aportes.

A carteira de ações que estou comprando segue abaixo:


Destaque para a Taesa, com alta acumulada de 39%.

Temos ainda mas não estamos mais comprando: Guararapes, Banco do Brasil, Cesp, Cemig, Eternit, Banco da Amazônia e Banco Pine. Destaque para Banco do Brasil com 75% de ganhos e Guararapes, com 65%.

No lado negativo, temos a Eternit com perdas de 45% e Banco da Amazônia com perdas de 24%.

No mais, boas leituras e aprendizados à todos e que tenhamos um ótimo final de maio.

Grande abraço!

6 comentários:

  1. Excelente post, ABC. Vou anotar o livro do Sêneca na minha lista. Vejo que muitas dessas atitudes mostradas no livro ocorrem no dia a dia e o profissional que só sabe fazer uma coisa e desconhece todo o resto também é muito comum no meu ambiente de trabalho.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo. Obrigado por acompanhar o blog. Dê uma olhadinha no Trivium também. Tem alguns vídeos na Internet sobre ele. Abraços!

      Excluir
  2. Opa ABC, cheguei até aqui pq o tenho no meu blogroll que uso para clicar e ir nos blogs dos colegas.

    Gosto muito de Seneca e do estoicismo em si. E é sempre bom ler qnd alguem fala de Sêneca.

    Bovespa realmente vem bombando muito.
    Sua alocação está muito boa, parabéns!

    Eternit, bbas e cemig estou saindo para não mais voltar.

    O que o fez pensar em colocar basa na carteira?

    Abraço?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Frugal. Obrigado pelo comentário. O Banco da Amazônia entrou nos critérios de Bazin ano passado, dessa forma entrou na carteira mas logo perdeu os critérios novamente e fiquei com uma pequena quantidade de ações, algo em torno de 5000 reais. Mas de qualquer maneira, perdas são esperadas no caminho do investidor. Abraços!

      Excluir
  3. Também tenho Eternit e Banco Pine, más também parei de comprar. Pine até acho que está se recuperando, já Eternit nem sinal de melhora.braço...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente parece que a Eternit tem a dupla penalidade de ter uma gestão um pouco ruim com a crise brasileira. Pena, era uma das melhores ações a bastante tempo.

      Excluir