domingo, 13 de agosto de 2017

O amor nos tempos do cólera (persistência) e carteira do mês



Olá amigos.

Confesso que abandonei um pouco o blog. Um pouco por pura preguiça, um pouco por falta de assunto e um pouco por estar ocupado com outras coisas do meu interesse.

O que ainda falar sobre como invisto?

Nesta fase em que estou, investimento é um pouco como ver a grama crescer. Vamos regando um pouquinho todo mês e aproveitando o tempo, que no fundo é nossa maior riqueza, para aprender filosofia e como aprender a aprender.

Recentemente li "O amor nos tempos do cólera", de Gabriel García Márquez, um livro espetacular, que além de ser maravilhoso em termos formais, literários, também é um livro sobre persistência, sobre não desistir e sobre acreditar na vida. A mensagem aqui para o investidor é tentar achar um propósito, um motivo para ganhar dinheiro e no caso do nosso protagonista era para conquistar o amor de uma mulher. O único defeito do livro foi ele ter sido escrito por um comunista, amigão do Fidel Castro, mas ninguém é perfeito não é mesmo?

Recomendo fortemente a todos que gostam de uma boa literatura e de um bom tempo gasto.

Um leitor me perguntou (obrigado amigo, voltei ao blog por sua causa) como foi depois da delação do Joesley (Safadão) sobre o Temer (tem meu respeito, pense na primeira dama). Bem, na verdade não afetou tanto, uma vez que minha carteira não tem grande concentração em Ibovespa. Tive uma queda de 1,2% em ações, algo que acontece em meses comuns. Na verdade a queda maior foi no mês de junho, em torno de 2,1%. Mas no total a queda da carteira toda, não somente ações, foi de 0,2% em maio e 0,5% em junho.

O que fiquei um pouco triste é porque não estava líquido o suficiente e não pude aproveitar a liquidação do mercado acionário no dia, mas tudo bem, sempre tem liquidação.

Tenho lido um pouco e tentado iniciar algumas tratativas para investir no exterior. O que ficou mais prático seria eu utilizar a XP Securities, mas o problema é o mínimo de 30 mil dólares. Até tenho o dinheiro, mas não queria desfazer das posições para investir agora. Talvez espere um pouco. Minha meta é começar a investir no exterior quando atingir o milho grande, previsto para junho do ano que vem (no meio da Copa!).

No mais a carteira no ano está indo bem. Estou com um acumulado líquido (sem imposto de renda) em torno de 8,3% de rentabilidade, o que dá 152% do CDI do ano. Para um José Arruela como eu, que investe sozinho, fazendo investimento de guerrilha, acho até que está bom.

Como sempre, mantemos 1/3 em ações, 1/3 em juros e 1/3 em fundos imobiliários, com 10% em dólar acompanhando o S&P 500. Talvez quando o milho grande vier, aumentaremos o percentual em dólar no exterior. Como o blog do Viver de Renda apontou, existe sim o risco do Brasil ir para o saco, aumentando muito se o Lula (bata na madeira três vezes) voltar. Se Deus nos ajudar teremos um governo liberal que promova o crescimento econômico, mas se não.....

No mais a nossa carteirinha de ações as quais estamos comprando segue abaixo:


Destaque para Taesa, com alta de 38% com proventos desde que a compramos.

Temos também Guararapes, Metal Leve, Alupar, Banco de Brasil, Cesp, Cemig, Eternit, Banco da Amazônia e Banco Pine, as quais possuímos mas não estamos comprando, seja porque ficaram caras ou porque tivemos queda na distribuição de dividendos. Destaque para Guararapes, com 93% de alta desde que a compramos e Banco do Brasil, com 56%. No lado negativo temos Eternit com 50% de queda e Banco da Amazônia (posição pequena) com 28%. E pensar que Eternit já chegou a ser uma das melhores ações de dividendos da bolsa.

Espero que todos vocês estejam bem e não desanimem. Um grande abraço!

4 comentários:

  1. Investir é exatamente isso, fazer um aporte todo o mês, e aproveitar a vida.

    Sobre não ter liquidez, é importante que o investidor que aplica essa filosofia de investimento, tenha pelo menos 10% da carteira com liquidez diara (Tesouro Selic, Fundo DI, CDB liquidez diaria) para aproveitar as oportunidades das quedas.

    Abraços e bons investimentos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo, obrigado por acompanhar o blog. Realmente esta tática de ficar um pouco líquido para aproveitar as pechinchas já foi exaustivamente descrita, mas dessa vez não segui. Quem ia imaginar que a Vovó Mafalda (Janot) ia soltar uma dessa?

      Excluir
  2. Boa noite! Muito obrigado por ter voltado. Comecei a estudar agora sobre ações e todos os dias compareço a seu Blog. Li o Livro do Benjamin Graham e não estava entendendo como aplicar. Imprimi suas táticas e estou analisando, ainda não investi muito. Por causa do seu Blog já adquiri o livro Trivium e ano que vem vou fazer curso de artes liberais na Confraria de Artes Liberais (por favor não indique tantas coisas boas rsrsrs).
    Esclareceria-me uma dúvida? Estava tentando aplicar os critérios que vc gentilmente disponibilizou e vi que a transpaulista está com Ativo circulante menor que passivo não circulante (posso estar errado na análise).Vc ainda assim continua comprando? Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo. Fico lisonjeado com o fato de poder contribuir positivamente para a vida de alguém. Obrigado pela dica da Confraria das Artes Liberais, eu não conhecia. Fiquei sabendo do Trivium através de vídeos do Prof. José Munir Nasser no Youtube. Ele tinha um programa de TV com o Prof. Olavo de Carvalho chamado Mídia Sem Máscara. Se você puder assistir são muito bons também.
      Quanto a sua dúvida sobre TRPL4, preciso fazer uma pequena correção no meu post sobre Graham. Neste quesito eu comparo o Ativo Circulante contra o Passivo Não-Circulante, como você fez e faço uma lógica OU e comparo a Dívida Líquida com o Patrimônio Líquido, se a Dívida Líquida estiver menor do que 50% do Patrimônio Líquido eu mantenho a empresa.
      Observe que é um "OU" ou seja se um ou outro critério estiver OK, mantenho a empresa. Este critério eu peguei do site Ação & Reação e acredito que também é uma boa proxy da dívida.
      Veja que no caso da TRPL4 a empresa possui uma dívida líquida de apenas 10% do seu patrimônio líquido, ou seja, tem bastante patrimônio e não ficaria insolvente.
      Espero ter ajudado!

      Excluir